Youtube
facebook
Twitter
Rss

Imprensa

5 de outubro de 2017 - 9h30

TRE-SE adere à campanha Outubro Rosa

Outubro Rosa: TRE-SE lembra como um diagnóstico precoce é fundamental na cura do câncer de mama

O Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe adere a campanha Outubro Rosa, somando esforços ao movimento, e destaca a importância do diagnóstico precoce na cura do câncer de mama. 

O Outubro Rosa é um movimento popular internacional que começou na década de 1990 objetivando estimular a participação da população no controle do câncer de mama. Ao chamar a atenção para a realidade da doença o Outubro Rosa destaca a importância do diagnóstico precoce e do rastreamento. 

De acordo com a projeção do Instituto Nacional do Câncer (INCA), 600 mil novos casos de câncer ocorrem no país a cada ano, sendo que no ano de 2016 foram registrados cerca de 58.000 casos novos de câncer de mama. 

Entre as mulheres, com exceção do de pele não melanoma, o de câncer de mama é, de longe, o mais frequente. Mas apesar dos números alarmantes, graças ao avanço da medicina nos últimos anos aliado ao acesso à informação pela população, a taxa de cura também cresce. 

Diagnóstico Precoce

O diagnóstico precoce através da mamografia bilateral é extremamente importante para detectar a presença da doença em seu estágio inicial, quando a chance de cura chega a ser de 95% e o tratamento é mais simples. 

De acordo com a médica do TRE-SE, Fernanda Carvalho, o medo de descobrir a doença faz com que muitas mulheres atrasem o diagnóstico: “Já vi casos em que a mulher sentia o nódulo no peito e preferia não ir a um especialista. O tumor crescia, às vezes se espalhava, e comprometia o tratamento. Recomendo a todas as mulheres que sejam corajosas e combativas. Detectar um câncer no início é determinante para o tratamento”. 

Fatores de risco

A idade é um dos mais importantes fatores de risco para a doença (cerca de quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos). Outros fatores que aumentam o risco da doença são ambientais e comportamentais, fatores da história reprodutiva e hormonal e fatores genéticos e hereditários, além da história familiar de câncer de ovário. 

Mulheres com risco elevado para câncer de mama devem conversar com seu médico para avaliação do risco para decidir a conduta a ser adotada. As mulheres devem ficar atentas aos sinais e sintomas (relação abaixo) e imediatamente procurar um serviço para avaliação diagnóstica:

  • Caroço (nódulo) fixo, endurecido e, geralmente, indolor;

  • Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja;

  • Alterações no bico do peito (mamilo);

  • Pequenos nódulos na região embaixo dos braços (axilas) ou no pescoço;

  • Saída espontânea de líquido dos mamilos.

Realizando exames

“Baseadas em evidências científicas robustas e amplamente reproduzidas pelo mundo afora a Sociedade Brasileira de Mastologia acredita que o rastreamento mamográfico é o que de melhor nós médicos podemos oferecer às mulheres nos tempos atuais para minimizar o sofrimento da ocorrência de um câncer de mama e colaborar efetivamente aumentando a sua chance de cura. A partir dos 40 anos, toda mulher deve ao menos uma vez por ano realizar os exames. Às mais expostas aos fatores de risco, recomendamos que iniciem aos 35”, aponta a dra. Fernanda.

Gestor Responsável: Assessoria de Imprensa e Comunicação Social +